Mulheres Indígenas

As mulheres indígenas expressam seu protagonismo nas lutas por dignidade, seguindo suas tradições. Esse programa traz a voz e os sonhos de lideranças femininas que refletem sobre questões de gênero e sobre a atuação das mulheres dentro e fora das aldeias. Aqui a câmera está do lado delas e são as guerreiras que defendem seus corpos e territórios.

Voz das Mulheres Indígenas - é um documentário realizado no âmbito do projeto "Voz das Mulheres Indígenas", da ONU Mulheres, com depoimentos de diversas mulheres indígenas da Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Alagoas. Elas refletem sobre a condição da mulher e afirmam sua luta pelas conquistas femininas em outros campos de atuação.

Empoderamento Feminino - Dorinha diz que Cacique é escolhido pela natureza preparada pela força encantada. Ela recebeu essa missão e agora as mulheres conduzem a comunidade junto com os homens. Dorinha quer que as mulheres sejam protagonistas dos debates políticos. Elisângela conta de sua experiência na universidade, o estranhamento das pessoas pela variedade de fenótipos. Patricia Tumbalalá fala também dos conflitos que enfrentou em sua vida.

Labuta - mostra o cotidiano e as dificuldades de uma mãe para criar seus 6 filhos pequenos sozinha. O pequeno filme experimenta o cinema observacional, e a tensão dramática de uma montagem paralela para nos fazer sentir o peso e os desafios da sua condição.

Guerreiras Atikum - voz às mulheres do povo Atikum, que falam de suas profissões e atividades nas lutas sociais e da comunidade. Elas são lideranças na comunidade e vozes que buscam a igualdade de gênero.

Guerreiras Xukuru do Ororubá - as lideranças femininas do povo Xukuru são relembradas por Marivania, professora indígena. Ela tem Dona Zenilda como referência da liderança indígena, mesmo nas batalhas de guerra e sente que o lugar da mulher está se ampliando na comunidade Xukuru. Ela questiona a quantidade de mulheres na liderança.

Xupapoynãg - é baseado na mitologia Maxakali. As lontras invadem a aldeia para vingar a morte de seus parentes, caçados e devorados pelos humanos. Cabe às mulheres travar uma batalha para expulsar os invasores. A luta entre homens e mulheres é impactante e chega a borrar o limite entre cena e realidade. Mas a cena é antes de tudo lúdica. Uma grande e rica encenação coletiva. A câmera é uma observadora da cena e, ao fim da batalha, acompanha as mulheres e o filme se torna, indiretamente, algo sobre os poderes e os lugares delas na comunidade.

Labuta

Núcleo/Coletivo: Casa de Cinema

Direção: Coletiva

Etnia: Pankará

Ano: 2019

Duração: 4 minutos